Equilíbrio em cena: o que aprender com as práticas organizacionais das indústrias culturais

Main Article Content

Joseph Lampel
Theresa Lant
Jamal Shamsie

Abstract

Neste artigo, delineamos cinco polaridades que envolvem as práticas organizacionais em indústrias culturais. Em primeiro lugar, os gestores devem reconciliar a expressão de valores artísticos com a viabilidade econômica do entretenimento de massa. Segundo, devem buscar inovações que diferenciem seus produtos sem torná-los fundamentalmente diferentes de outros da mesma categoria. Terceiro, devem analisar e atender a demanda existente e ao mesmo tempo usar a imaginação para expandir e transformar o mercado. Quarto, devem equilibrar as vantagens da integração vertical das diferentes atividades e a necessidade de manter uma vitalidade criativa por meio de especialização flexível. Finalmente, devem desenvolver sistemas criativos para apoiar e comercializar os bens culturais, mas não permitir que esses sistemas suprimam a inspiração individual que está na raiz da criação de valor na indústria cultural.

Downloads

Download data is not yet available.

Metrics

Metrics Loading ...

Article Details

How to Cite
LAMPEL, J.; LANT, T.; SHAMSIE, J. Equilíbrio em cena: o que aprender com as práticas organizacionais das indústrias culturais. RAE - Revista de Administracao de Empresas , [S. l.], v. 49, n. 1, p. 19–26, 2009. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/rae/article/view/36016. Acesso em: 21 feb. 2024.
Section
Forum