Women of easy Living? Time, pleasure and suffering in the work of prostitutes

Main Article Content

Kely César Martins de Paiva
http://orcid.org/0000-0002-5185-9072
Jefferson Rodrigues Pereira
http://orcid.org/0000-0002-2048-5979
Letícia Rocha Guimarães
http://orcid.org/0000-0002-3474-437X
Jane Kelly Dantas Barbosa
http://orcid.org/0000-0002-4406-0190
Caissa Veloso e Sousa
http://orcid.org/0000-0003-1844-8308

Abstract

This study aims to analyze how temporal perceptions influence pleasure and suffering in the work of prostitutes in Belo Horizonte (MG). A descriptive and qualitative case study was carried out. Data were collected through semi-structured interviews with 15 professionals from "battle hotels" and analyzed using content analysis. The interviewed prostitutes associated time as a resource, and this was linked to experiences of pleasure and suffering, in the sense that the effective management of time generated
money which was the main source of pleasure from their work . The working time of the prostitutes was also a source of suffering because they normalized or accepted discomfort from their work and the consequences that it entailed.

Downloads

Download data is not yet available.

Metrics

Metrics Loading ...

Article Details

How to Cite
MARTINS DE PAIVA, K. C.; PEREIRA, J. R.; GUIMARÃES, L. R.; BARBOSA, J. K. D.; VELOSO E SOUSA, C. Women of easy Living? Time, pleasure and suffering in the work of prostitutes. RAE - Revista de Administracao de Empresas , [S. l.], v. 60, n. 3, p. 208–221, 2020. DOI: 10.1590/S0034-759020200304. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/rae/article/view/81319. Acesso em: 23 jun. 2024.
Section
Articles

References

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Barreto, L. C. (2013). Prostituição, gênero e trabalho. Rio de Janeiro, RJ: Multifoco.

Barreto, L. C., & Prado, M. A. M. (2010). Identidade das prostitutas em Belo Horizonte: As representações, as regras e os espaços. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 5(2), 193-205.

Barros, L. A. (2005). Mariposas que trabalham: uma etnografia da prostituição feminina na região central de Belo Horizonte. Jus Navigandi, 8(1). Recuperado de http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/23531-23533-1-PB.pdf

Bauman, Z. (2007). Tempos líquidos. São Paulo, SP: Zahar.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (2004). A construção social da realidade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Blithe, S. J., & Wolfe, A. W. (2017). Work–life management in legal prostitution: Stigma and lockdown in Nevada’s brothels. Human Relations, 70(6), 725-750. doi: 10.1177/0018726716674262

Bluedorn, A. C., & Jaussi, K. S. (2007). Organizationally relevant dimensions of time across levels of analysis. In Dansereau, F. and Yammarino, F.J. (Ed.) Multi-Level Issues in Organizations and Time, 6, 187-223. Oxford: Elsevier.

Carvalho, E. R. (2018). Norbert Elias and the philosophical controversy surrounding the nature of time. Time & Society, 27(2), 155-175. doi: 10.1177/0961463X15590744

Castro, P. M., & Cançado, V. L. (2009). Prazer e sofrimento no trabalho: A vivência de profissionais de recursos humanos. Gestão & Planejamento, 10(1), 19-37.

Cunha, L. A. (2014). Prostituição e religião: A trajetória religiosa de mulheres que praticam a prostituição na região de Santo Amaro – São Paulo. 127 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Dario, V. C., & Lourenço, M. L. (2018). Cultura organizacional e vivências de prazer e sofrimento no trabalho: um estudo com professores de instituições federais de ensino superior. Revista Organizações em Contexto, 14(27), 345-395. doi: 10.15603/1982-8756/roc.v14n27p345-395

Dejours, C. (1994). A carga psíquica do trabalho. In C. Dejours, E. Abdoucheli, C. Jayet, & M. I. S. Betiol (Coords.), Psicodinâmica do trabalho: Contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho (pp. 21-32). São Paulo, SP: Atlas.

Dejours, C. (1996). Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. In J. F. Chanlat (Org.), O indivíduo na organização: Dimensões esquecidas (pp. 149-173). São Paulo, SP: Atlas.

Durant, B., & Couch, J. (2019). ‘It’s just more, you know, natural’: The perceptions of men who buy sex in an emerging street sex market. Sexualities, 22(3), 310-324. doi: 10.1177/1363460717737489

Elias, N. (1998). Sobre o tempo. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Fanganiello, A. L. S. (2008). Profissionais do sexo e autoimagem na cidade de São Paulo. 54 f. (Mestrado em Trabalho de Conclusão de Curso - TCC) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008. https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/18753

Forno, C. Dal. (2015). A centralidade do sujeito na construção de um trabalho vivo. SIG Revista de Psicanálise, 4(6), 139-142.

Franco, D. S., Paiva, K. C. M., & Dutra, M. R. S. (2018). Percepções temporais e controle: Um estudo com trabalhadores de call center. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 7(2), 75-97. doi: 10.9771/23172428rigs.v7i2.25301

Frezza, M., Grisci, C. L. I., & Kessler, C. K. (2009). Tempo e espaço na contemporaneidade: Uma análise a partir de uma revista popular de negócios. Revista de Administração Contemporânea, 13(3), 487-503. doi: 10.1590/S1415-65552009000300009

Güell, P., & Yopo, M. (2016). The subjective texture of time: An exploratory and empirical approach to time perspectives in Chile. Time & Society, 25(2), 295-319. doi: 10.1177/0961463X15577260

Harvey, D., & Sobral, A. U. (1994). Condição pós-moderna. São Paulo, SP: Loyola.

Hassard, J. (2001). Imagens do tempo no trabalho e na organização. Handbook de estudos organizacionais, 2, 190-216). São Paulo, SP: Atlas.

Hoffmann, C., Traverso, L. D., & Zanini, R. R. (2014). Contexto de trabalho das pessoas com deficiência no serviço público federal: Contribuições do inventário sobre trabalho e riscos de adoecimento. Gestão & Produção, 21(4), 707-718. doi: 10.1590/0104-530X379

Koeber, C. (2017). The social reorganization of time: The “great speedup” and the transformation of time and work discipline. Humanity & Society, 41(2), 143-157. doi: 10.1177/0160597617698424

Lainez, N. (2019). Treading water: Street sex workers negotiating frantic presents and speculative futures in the Mekong Delta, Vietnam. Time & Society, 28(2), 804-827. doi: 10.1177/0961463X18778473

Lana, J., Gama, M. A. B., Bandeira-de-Mello, R., & Marcon, R. (2018). O tempo como legitimador da causa: Implicações temporais em pesquisas de administração. Revista Alcance, 25(1), 106-119. doi: 10.14210/alcance.v25n1(Jan/Abr).p106-119

Leite, G. S. (2008). Filha, mãe, avó e puta: A história de uma mulher que decidiu ser prostituta. São Paulo, SP: Objetiva.

Lobo, B. N. L., & Sampaio, J. A. L. (2016). A prostituição e a dignidade da pessoa humana: Crítica literária e musical à negação do direito fundamental ao trabalho. Espaço Jurídico: Journal of Law, 17(3), 913-932. doi: 10.18593/ejjl.v17i3.10554

Martins, A. A. V., & Honório, L. C. (2014). Prazer e sofrimento docente em uma instituição de ensino superior privada em Minas Gerais. Organizações & Sociedade, 21(68), 79-96. doi: 10.1590/S1984-92302014000100005

Meihy, J. C. S. B. (2015). Prostituição à brasileira: cinco histórias. São Paulo, SP: Contexto.

Mello, H. D. A., & Tonelli, M. J. (2002). O tempo e as organizações: Concepções do tempo em periódicos de estudos organizacionais. Anais do II Encontro Nacional de Estudos Organizacionais (ENEO), ANPAD, Recife, PE.

Ministério do Trabalho e Emprego. (2008). CBO (Classificação Brasileira de Ocupações): Profissionais do sexo. Recuperado de www.mtecbo.gov.br/busca/descricao.asp?codigo=5198

OIT - Organização Internacional do Trabalho. (2015). Juventude e trabalho informal no Brasil. Brasília: OIT. Recuperado de https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---americas/---ro-lima/---ilo-brasilia/documents/publication/wcms_526213.pdf

Paiva, K. C. M., & Souza, C. M. O. (2016). Time perception: A study of young Brazilian workers. Tourism & Management Studies, 12(1), 203-210. doi: 10.18089/tms.2016.12122

Pereira, J. R., Paiva, K. C. M., Santos, J. V. P., & Sousa, C. V. (2018). “O show tem que continuar”: Encalços e percalços do ser/estar prostituta. Contextus–Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 16(3), 151-180. doi: 10.19094/contextus.v16i3.32642

Pereira, J. R., Palhares, J. V., & Silva, A. G. C. (2018). Entre o sagrado e o profano: Identidades, paradoxos e ambivalências de prostitutas evangélicas do baixo meretrício de Belo Horizonte. Anais do XLII EnANPAD, ANPAD, Curitiba, PR.

Pitts, F. H. (2015). Time and work. Time & Society, 24(3), 390-395. doi: 10.1177/0961463X15615720

Roberts, N. (1992). As prostitutas da história. Rio de Janeiro, RJ: Rosas dos Tempos.

Sanders, T. (2018). Unpacking the process of destigmatization of sex work/ers: Response to Weitzer ‘Resistance to sex work stigma’. Sexualities, 21(5-6), 736-739. doi: 10.1177/1363460716677731

Thompson, E. P. (1991). Time, work-discipline and industrial capitalism. In: E. P. Thompson. Customs in common (pp. 352-403). London, UK: Merlin Press.

Vergara, S. C. (2011). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo, SP: Atlas.

Vergara, S. C., & Caldas, M. (2005). Paradigma interpretacionista: A busca da superação do objetivismo funcionalista nos anos 1980 e 1990. RAE-Revista de Administração de Empresas, 45(4), 66-72. doi: 10.1590/S0034-75902005000400006

Veriguine, N. R., Basso, C., & Soares, D. H. P. (2014). Juventude e perspectivas de futuro: A orientação profissional no Programa Primeiro Emprego. Psicologia: Ciência e Profissão, 34(4), 1032-1044. doi: 10.1590/1982-370000902013

Weitzer, R. (2018). Resistance to sex work stigma. Sexualities, 21(5-6), 717-729. doi: 10.1177/1363460716684509

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: Planejamento e métodos. Porto Alegre, RS: Bookman.