The future of work in Brazil: Looking after institutions

Main Article Content

Wilson Aparecido Costa de Amorim

Abstract

This study reflects on the future of work in Brazil based on an aspect common and transversal
to the three arenas indicated by Islam (2020)— the importance of public policies, and ultimately, of the institutions of regulation and support available to work in the country.

Downloads

Download data is not yet available.

Metrics

Metrics Loading ...

Article Details

How to Cite
COSTA DE AMORIM, W. A. The future of work in Brazil: Looking after institutions. RAE - Revista de Administracao de Empresas , [S. l.], v. 60, n. 5, p. 371–377, 2020. DOI: 10.1590/S0034-759020200507. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/rae/article/view/82250. Acesso em: 17 apr. 2024.
Section
Perspectives

References

Adascalitei, D., & Morano, C. P. (2015). Labour market reforms since the crisis: Drivers and consequences. International Labour Organisation, Research Department. Geneva, Switzerland: ILO.

Almeida, M. H. T. (1998). Sindicatos em tempos de reforma. São Paulo em Perspectiva, 12(1). Recuperado de http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v12n01/v12n01_01.pdf

Amorim, W. A. C. (2007). Greves no Brasil: Uma análise do período recente e tendências. In Amorim, W. A. C. (2015) Negociações coletivas no Brasil: 50 anos de aprendizado. São Paulo, SP: Atlas.

Amorim, W. A. C. (2007), A evolução das organizações de apoio às entidades sindicais brasileiras: Um estudo sob a lente da aprendizagem organizacional (Tese de doutorado, FEA USP).

Arbix, G., Salerno, M. S., Zancul, E., Amaral, G., & Lins, L. M. (2017, novembro). Novos estudos. Cebrap, 36(3), 29-49.

Barbosa, A. F. (2008). A formação do mercado de trabalho no Brasil. São Paulo, SP: Alameda.

Cardoso, A. (2014). Os sindicatos no Brasil. Boletim Mercado de Trabalho: Conjuntura e Análise - IPEA, 20(56), 21-27.

Commons, J. R. (1931). Institutional economics. American Economic Review, 21, 648-657.

Confederação Nacional da Indústria. (2017). Modernização trabalhista: Lei nº 13.467 de 13 de julho de 2017, panorama anterior e posterior à aprovação. Confederação Nacional da Indústria. Brasília, DF: CNI.

Dedecca, C. S. (2005). Notas sobre a evolução do mercado de trabalho no Brasil. Revista de Economia Política, 25(197), 94-111.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2001). A situação do trabalho no Brasil. São Paulo, SP: DIEESE.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2012). A situação do trabalho no Brasil na primeira década dos anos 2000. São Paulo, SP: DIEESE.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2017, maio). Relações de trabalho sem proteção: De volta ao período anterior a 1930? [Nota Técnica nº 179].

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2020a). O Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda diante dos impactos da Covid-19 [Nota Técnica nº 232].

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2020b). Acordos negociados pelas entidades sindicais para enfrentar a pandemia do coronavírus – Covid 19 [Estudos e Pesquisas nº 91].

Gremaud, A. P., Saes, F. A. M. de, & Toneto, R. J. (1997). Formação econômica do Brasil. São Paulo, SP: Editora Atlas.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020). Indicadores IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – PNAD Contínua. Principais destaques da evolução do mercado de trabalho no Brasil 2012-2019. Rio de Janeiro, RJ: IBGE.

International Labor Organization. (2019). Work for a brighter future. Global Commission on the Future of Work International Labour Office. Geneva, Switzerland: ILO.

Islam, G. The future(s) of work. RAE-Revista de Administração de Empresas, 60(5), XX-XX. doi:

Krein, D. (2018). O desmonte dos direitos, as novas configurações do trabalho e o esvaziamento da ação coletiva: Consequências da reforma trabalhista. Tempo Social, 30(1), 77-104. doi: 10.11606/0103-2070.ts.2018.138082

Ministério do Emprego e Trabalho. (2011). I Conferência Nacional de Emprego e Trabalho Decente. Brasília, DF.

Ministério do Emprego e Trabalho, Federação do Comércio do Estado de São Paulo. (2017). Contratos: O que o empregador deve saber. Brasília, DF; São Paulo, SP.

North, D. C. (1991). Institutions. The Journal of Economic Perspectives, 5(1), 97-112. doi: 10.1257/jep.5.1.97

Philips, K., & Eamets, R. (2007). Approaches to flexicurity: EU models. European foundations for the improvement of living and conditions of life. Dublin, Ireland.

Pochmann, M. (2010). Desenvolvimento, trabalho e renda no Brasil: Avanços recentes no emprego e na distribuição dos rendimentos. São Paulo, SP: Editora Fundação Perseu Abramo.

Polanyi, K. (2012). A grande transformação. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

Sen, A. (2010). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo, SP: Companhia das Letras.