Epistemology(ies) in corporate governance: Is there really choice?

Main Article Content

Aliki Karagrigoriou Galanos
https://orcid.org/0000-0001-7563-7397
Vanessa Rabelo Dutra
https://orcid.org/0000-0003-2841-8495
Igor Baptista de Oliveira Medeiros
https://orcid.org/0000-0003-2322-4982

Downloads

Download data is not yet available.

 

 

 

 

Metrics

Metrics Loading ...

Article Details

How to Cite
GALANOS, A. K.; DUTRA, V. R.; MEDEIROS, I. B. de O. Epistemology(ies) in corporate governance: Is there really choice?. RAE - Revista de Administracao de Empresas , [S. l.], v. 64, n. 2, p. e2022–0449, 2023. DOI: 10.1590/S0034-759020240207. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/rae/article/view/90385. Acesso em: 21 feb. 2024.
Section
Essay

References

Andrade, A., & Rossetti, J. P. (2006). Governança corporativa: Fundamentos, desenvolvimento e tendências (2a ed.). Atlas.

Ardalan, K. (2004). On the theory and practice of finance. International Journal of Social Economics, 31(7), 684-705. https://doi.org/10.1108/03068290410540882

Ardalan, K. (2017). Capital structure theory: Reconsidered. Research in International Business and Finance, 39, 696-710. https://doi.org/10.1016/j.ribaf.2015.11.010

Barbosa, M. A. C., Santos, J. M. L. dos, Matos, F. R. N., & Almeida, A. M. B. (2013). Nem só de debates epistemológicos vive o pesquisador em administração: Alguns apontamentos sobre disputas entre paradigmas e campo científico. Cadernos EBAPE.BR, 11(4), 636-651. https://doi.org/10.1590/s1679-39512013000400011

Biscaia, G. V., Gouvêa, D. G. T., & Coco, V. L. (2020). Em direção a uma teoria comportamental dos conselhos e governança corporativa ? Um olhar para as empresas familiares brasileiras. Revista Metropolitana de Governança Corporativa, 5(1), 78-103.

Brennan, N. M., & Solomon, J. (2008). Corporate governance, accountability and mechanisms of accountability: An overview. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 21(7), 885-906. https://doi.org/10.1108/09513570810907401

Confessor, K. L. A., Silva, J. G. Da, & Santos, J. F. Dos. (2022). Evidências da pesquisa científica em finanças nos últimos anos. Revista de Administração, Regionalidade e Contabilidade, 1(1), 16-35.

Donaldson, L. (2003). Organization theory as a positive science. In The Oxford handbook of organization theory (pp. 39-62). Oxford University Press.

Fabrício, S. A., Ferreira, D. D. M., & Borba, J. A. (2021). A panorama of Mariana and Brumadinho disasters: What do we know so far? Revista Eletrônica de Administração, 27(1), 128-152. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.1590/1413-2311.310.102806

Ferreira, R. M., Lima, S. L. L. De, Gomes, A. R. V., & Mello, G. R. De.(2019). Governança corporativa: Um estudo bibliométrico da produção científica entre 2010 a 2016. Organizações em Contexto, 15(29), 323-342. https://doi.org/https://doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v15n29p323-342

Frankfurter, G. M., & McGoun, E. G. (2018). From individualism to the individual. Routledge, Taylor & Francis Group.

Gomes, M. da C., & Valle, M. R. do. (2020). A Tomada de decisão empresarial em finanças: Aspectos epistemológicos e paradigmáticos. Administração: Ensino e Pesquisa, 21(1), 92-113. https://doi.org/10.13058/raep.2020.v21n1.1368

Gouveia, T. A., & Conti, C. R. (2015). Um compratativo entre o positivismo e complexidade como epistemologias na teoria dos custos das transações e na teoria de imersão de redes. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 9(1), 35-50. https://doi.org/10.12712/rpca.v9i1.434

Herling, L. H., Moritz, G. D. O., Costa, A. M., & Moritz, M. O. (2014). Finanças corporativas: Sua organização e base epistemológica. Revista de Ciências da Administração, 16(39), 179-193. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2014v16n39p179

Iquiapaza, R. A., Amaral, H. F., & Bressan, A. A. (2009). Evolução da pesquisa em finanças: Epistemologia, paradigma e críticas. Organizações & Sociedade, 16(49), 351-370. https://doi.org/10.1590/S1984-92302009000200008

Kreuzberg, F., & Vicente, E. F. R. (2019). Para onde estamos caminhando? Uma análise das pesquisas em governança corporativa. Revista de Administração Contemporânea, 23(1), 43-66. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2019170381

Kuhn, T. S. (2013). A estrutura das revoluções científicas (12a ed.). Perspectiva.

Li, T. T., Wang, K., Sueyoshi, T., & Wang, D. D. (2021). Esg: Research progress and future prospects. Sustainability (Switzerland), 13(21),11663. https://doi.org/10.3390/su132111663

Lopes, J. C., & Demajorovic, J. (2020). Corporate social responsibility: A critical view from the case study of Samarco’s socio environmental tragedy. Cadernos EBAPE.BR, 18(2), 308-322. https://doi.org/10.1590/1679-395173811x

Magalhães-Timotio, G. J., & Barbosa, F. V. (2020). A produção científica brasileira no campo de finanças. Revista de Ciências da Administração, 22(57), 39-53. https://doi.org/https://doi.org/10.5007/2175-8077.2020.e67279

Ramos, G. A. (1996). A redução sociológica (3a ed.). Editora UFRJ.

Rodrigues, M. S. (2013). Epistemologia e administração: (Um esboço de) reflexões e possibilidades. Perspectivas Contemporâneas, 8(1), 101-124.

Trevia, C. F., Jardim, L. S., & Pinto, S. R. da R. (2019). Governança Corporativa e fenomenografia: Meta-análise e proposição de abordagem teórico-metodológica. X Encontro da Divisão de Estudos Organizacionais da ANPAD- EnEO.