Análise da materialidade ESG entre empresas do setor de commodities no Brasil integrantes do IBOVESPA

Conteúdo do artigo principal

Daniela Baptista
Bianca Quirantes Checon

Resumo

[INTRODUÇÃO] A relevância econômica das commodities para países em desenvolvimento, como o Brasil, está atrelada ao impacto na balança comercial nacional e na geração de empregos, posto que as commodities corresponderam à 70% das exportações brasileiras no de 2021, segundo o Indicador de Comércio Exterior - Icomex (Icomex, 2022). Faz-se, então, necessário entender como a geração de retorno aos acionistas dessas companhias, criando potencialmente um fator de fragilidade interna, em face aos riscos enfrentados pelas empresas em seus ciclos produtivos quanto aos aspectos Environmental, Social and Governance (ESG) divulgados por essas empresas.[METODOLOGIA] O trabalho apresenta a abordagem quantitativa-archival, esta pesquisa tem como objetivo analisar o nível de materialidade das informações ESG das empresas de commodities brasileiras que compõem o IBOVESPA, a partir dos dados secundários obtidos, além das variáveis estatísticas calculadas tomando por base informações públicas divulgadas periodicamente nos Demonstrativos Financeiros, podendo então comparar as empresas entre si e os setores ao qual pertencem.[RESULTADOS] Os resultados encontrados na coleta de dados secundários permitem concluir que nos últimos 5 anos, as empresas da amostra têm alterado a forma com a qual reportam dados associados aos impactos Ambiental, Social e de Governança que permeiam seus ciclos produtivos. Entretanto, os resultados obtidos por meio das Tabelas descritivas e Matrizes de Correlação nos mostram que os avanços ainda são incipientes e que algumas indústrias precisam se adaptar mais rapidamente ao padrão internacional que reforça a importância de dados dessa natureza para o cálculo do risco de uma companhia e sua capacidade de gerar retorno de maneira concisa. [CONCLUSÃO] O objetivo central de estudos futuros deve ser a expansão do número de empresas que fazem parte da amostra, ou seja, mapear a Nota de materialidade de todas as empresas que fazem parte do IBOVESPA, posto que assim será possível ter a robustez necessária para a criação do modelo regressivo proposto no trabalho de Khan et Al. (2016), usado como base para esse trabalho. Deve-se buscar adaptar o trabalho mencionado à realidade brasileira na busca de quantificar a materialidade das informações quanto aos tópicos ESG tidos como de maior impacto para cada indústria, de acordo o SASB Standard. 

Detalhes do artigo

Seção
PIBIC - Administração de Empresas