Substantive rationality in communal ecovillage management

Main Article Content

Guilherme Smaniotto Tres
https://orcid.org/0000-0001-9765-7524
Washington José de Souza
https://orcid.org/0000-0001-6295-2806

Abstract

We approach elements of substantive rationality in administrative practice, in productive organizations, through attributes
of communal management in agricultural production activities and care for natural and human life in ecovillages. Inspired
by ethnography, we visited four ecovillages for 49 days, following daily life and working relationships. The results show that
management routines emphasize social reproduction under principles of self-sufficiency. The sharing of land and the means of
production and the orientation to collective care comprise an environment of social and economic security based on voluntary
community bonds. Prevail management processes with a bias of substantive rationality that interconnect demands and
ecological activism with actions to mitigate ecological degradation and enhance the diversity of life, characterizing traces of
human emancipatory administrative practices in the productive sphere in private organizations.

Downloads

Download data is not yet available.

Metrics

Metrics Loading ...

Article Details

How to Cite
SMANIOTTO TRES, G.; JOSÉ DE SOUZA, W. . Substantive rationality in communal ecovillage management . RAE - Revista de Administracao de Empresas , [S. l.], v. 62, n. 2, p. 1–16, 2021. DOI: 10.1590/S0034-759020220202. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/rae/article/view/85101. Acesso em: 30 may. 2024.
Section
Articles

References

Altieri, M. (1998). Agroecologia: A dinâmica produtiva da agricultura sustentável. Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS.

Antunes, R. (2018). O privilégio da servidão: O novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo, SP: Boitempo.

Araujo, G. E. F., Paiva, J. A. de, Souza, W. J. de, & Momo, D. C. (2013). Economia solidária à luz do ambiente isonômico de Guerreiro Ramos: Vivências do 'Grupo de Mulheres Decididas a Vencer'. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 12(1), 58-74. doi: 10.5329/RECADM.2013007

Barros, C. F. P. (2007). Trocas, hierarquia e mediação: As dimensões culturais do consumo em um grupo de empregadas domésticas (Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ).

Birochi, R., Vivan, C., & Granzotto, A. C. de B. (2019). As faces divergentes das organizações em redes agroalimentares. Raízes: Revista de Ciências Sociais e Econômicas, 39(1), 114-132. doi: 10.37370/raizes.2019.v39.85

Carlsen, A., Clegg, S. R., Pitsis, T. S., & Mortensen, T. F. (2020). From ideas of power to the powering of ideas in organizations: Reflections from Follett and Foucault. European Management Journal, 38(6), 829-835. doi: 10.1016/j.emj.2020.03.006

Comunello, L. N. (2016). Aprendizagem e espiritualidade em Ecovilas: Quando “o Universo todo ensina” (Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS).

Cunha, E. V. (2012). A sustentabilidade em ecovilas: Práticas e definições segundo o marco da economia solidária (Tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA).

Dawson, J. (2004). Wholesome living exploring the connections of the ecovillage movement. Resurgence-London-Navern Road, 225, 36-43.

Elliott, R., & Jankel-Elliott, N. (2003). Using ethnography in strategic consumer research. Qualitative Market Research, 6(4), 215-223. doi: 10.1108/13522750310495300

Fischer, T., & Melo, V. P. (2003). Gestão social do desenvolvimento e interorganizações. XII Colóquio Internacional sobre Poder Local, Salvador, BA, UFBA.

Flick, U. (2008). Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre, RS: Artmed Editora.

Gilman, R. (1991). Ecovillages and sustainable communities: A report for Gaia Trust by Context Institute.

Han, B. C. (2017). Sociedade do cansaço. Porto Alegra, RS: Editora Vozes Limitada.

Mariampolski, H. (1999). The power of ethnography. Journal of the Market Research Society, 41(1), 75-86. doi: 10.1177%2F147078539904100105

Moisander, J., & Valtonen, A. (2006). Qualitative marketing research: A cultural approach. London, Sage.

Pinheiro, L. V. de S. (2019). Rompendo cercas, construindo saberes: Trabalho agroecológico, vivência e (re)significações nas relações com o lugar (Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN).

Polanyi, K. (2000). A grande transformação: As origens da nossa época. Rio de Janeiro, RJ: Editora Campus.Pinheiro, L. V. de S. (2019). Rompendo cercas, construindo saberes: trabalho agroecológico, vivência e (re)significações nas relações com o lugar. 232f. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, RN, BR

Ramos, A. G. (1981). A nova ciência das organizações: Uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro, RJ: Editora da FGV.

Santos, S. J., Jr. (2006). Ecovilas e comunidades intencionais: Ética e sustentabilidade no viver contemporâneo. III Encontro da ANPPAS, Brasília, DF.

Serva, M. (1993). O fenômeno das organizações substantivas. RAE-Revista de Administração de Empresas, 33(2), 36-43. doi: 10.1590/S0034-75901993000200005

Serva, M. (1997). A racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. RAE-Revista de Administração de Empresas, 37(2), 18-30. doi: 10.1590/S0034-75901997000200003

Serva, M., Caitano, D., Santos, L., & Siqueira, G. (2015). A análise da racionalidade nas organizações: Um balanço do desenvolvimento de um campo de estudos no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, 13(3), 414-437. doi: 10.1590/1679-395116344

Silva, É. S. Da, & Silva, G. P. Da. (2020). Formação humana e racionalidade substantiva: Resistência à formação instrumental. Plurais Revista Multidisciplinar, 4(3), 115-131. doi: 10.29378/plurais.2447-9373.2019.v4.n3.115-131

Sinisterra, M. L. C. (2013). Circulando no sagrado: Tradições, rituais e cerimônias ancestrais na vida moderna – Uma experiência na ecoaldeia La Atlantida em Cajibio-Cauca-Colômbia (Tese de doutorado, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ). Siqueira, G. de M. V. (2012). Tensão entre as racionalidades substantiva e instrumental na gestão de ecovilas: Novas fronteiras do campo de estudos (Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC).

Siqueira, G. de M. V. (2017). Tensão entre as racionalidades substantiva e instrumental: Estudo de caso em uma ecovila no sul da Bahia. Cadernos EBAPE, 15(4), 768-782. doi: 10.1590/1679-395155014

Shiva, V. (2003). Monoculturas da mente. São Paulo, SP: Editora Gaia.

Souza, M. F. de (2016). Além da Escola: reflexões teórico-metodológicas com base na análise de práticas educativas alternativas descobertas em áreas rurais da região de São Carlos S.P. (Tese de doutorado, Universidade Estadual Paulista, São Carlos SP.)

Tenório, F. G. (2005). (Re)visitando o conceito de gestão social. Desenvolvimento em Questão, 3(5), 101-124. doi: 10.21527/2237-6453.2005.5.101-124

Tres, G. S. & Souza, W. J. de. (2019). La naturaleza epistemológica de las ecovilas: Revisión sistemática en las tesis defendidas en programas de postgrado en Brasil. RIPS: Revista de Investigaciones Políticas y Sociológicas, 18(2), 137-155. doi: 10.15304/rips.18.2.5407

Tenório, F. G. (2014). In B, Cavalcante, Y. Duzert, & E. Marques, Guerreiro Ramos, coletânea de depoimentos. 43-48, Rio de Janeiro: FGV Editora.Tenório, F. G. (2005). (Re) visitando o conceito de gestão social. Desenvolvimento em questão, 3(5), 101-124.

Tres, G. S., & Souza, W. J. de. (2019). La naturaleza epistemológica de las ecovilas: Revisión sistemática en las tesis defendidas en programas de postgrado en Brasil. RIPS: Revista de Investigaciones Políticas y Sociológicas, 18(2), 137-155. doi: 10.15304/rips.18.2.5407

Weber, M. (1994). Economia e sociedade (Vol. 1, 3a ed.). Brasília, DF: Editora UnB.

Wenger, E. (1998). Communities of practice: Learning, meaning and identity. Cambridge, UK: Cambridge University.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: Planejamento e métodos (5a ed.). Porto Alegre, RS: Bookman.