Administração, pós-modernismo e coisa(s) públicas(s), ou em busca de uma política do sujeito

Conteúdo do artigo principal

Thomas J. Catlaw

Resumo

Este artigo argumenta que muitos dos dilemas enfrentados pelos governos contemporâneos podem ser entendidos em termos do colapso de uma ¿política do objeto¿, cuja preocupação central é a réplica e purificação da ¿coisa do povo¿. Isto pressupõe a homogeneidade entre o povo e sua forma de vida. A primeira parte do artigo trata das limitações e possibilidades da pós-modernidade dentro dos pressupostos da democracia liberal. Estes estariam tornando cada vez mais inatingível o próprio conceito de povo bem como o objetivo de política que se constrói em torno dele. Na segunda metade é esboçado o que se denomina ¿política do sujeito¿ e como ela poderia romper com a política em sua versão objetivista. Mostra como a administração pública, dada sua própria posição estrutural, pode contribuir para essa vida política radicalmente nova. Dessa forma, acredita ter aberto caminho para a criação de uma nova identidade. Um projeto para o campo da administração pública é proposto embora reconhecendo que a empreitada não é livre de riscos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Catlaw, T. J. (2003). Administração, pós-modernismo e coisa(s) públicas(s), ou em busca de uma política do sujeito. Revista De Administração Pública, 37(3), 605 a 626. Recuperado de https://periodicos.fgv.br/rap/article/view/6733
Seção
Teorias de organização, além da modernidade