Efeito de mudanças no contexto de implementação de uma política multinível: análise do caso da Reforma do Ensino Médio no Brasil

Conteúdo do artigo principal

Gabriela Spanghero Lotta
https://orcid.org/0000-0003-2801-1628
Marcela Bauer
https://orcid.org/0000-0002-9752-4067
Rita Jobim
https://orcid.org/0000-0003-2917-7531
Catherine Rojas Merchán
https://orcid.org/0000-0001-5771-7342

Resumo

O artigo busca compreender como mudanças exógenas são afetadas pelos contextos de implementação que encontram em cada local. A partir da análise da Lei 13.415/2017, que reforma o Ensino Médio no Brasil, verifica como as mudanças federais trazidas por esta política provocaram alterações nos estados e qual a variação que os contextos locais geraram na própria reforma. O artigo se baseia em uma pesquisa qualitativa que acompanhou os efeitos da publicação da Lei e o início do processo de implementação da reforma nos 26 estados e Distrito Federal ao longo de dois anos. O caso empírico foi analisado a partir das variáveis de conflito e ambiguidade que caracterizam os contextos de implementação. Estes achados contribuem para a literatura de implementação de políticas públicas, de reformas e mudanças na administração pública e de políticas de educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Lotta, G. S., Bauer, M., Jobim, R., & Merchán, C. R. (2021). Efeito de mudanças no contexto de implementação de uma política multinível: análise do caso da Reforma do Ensino Médio no Brasil. Revista De Administração Pública, 55(2), 395–413. https://doi.org/10.1590/0034-761220190159
Seção
Artigos

Referências

Abrucio, F., Franzese, C., & Sano, H. (2010). Coordenação e cooperação no federalismo brasileiro: avanços e desafios. In A. S. Cunha, L. A. Medeiros & L. Aquino(Org.), Estado, instituições e democracia (v. 1., pp. 177-212). Brasília, DF: IPEA.

Arretche, M. (2001). Uma contribuição para fazermos avaliações menos ingênuas. In M. C. R. N. Barreira, & M. C. B. Carvalho (Org.), Tendências e perspectivas na avaliação de políticas e programas sociais São Paulo, SP: IEE/PUC, Cenpec, Cedac.

Arretche, M. (2012). Democracia, federalismo e centralização no Brasil Rio de Janeiro, RJ: Fundação Getulio Vargas/Fiocruz.

Baumgartner, F., Jones, B. D. & Wilkerson, J. (2011). Comparative Studies of Policy Dynamics. Comparative Political Studies, 44(8), 947-972.

Baumgartner, F., True, J. L., & Jones, B. D. (1999). Punctuated equilibrium theory: explaining stability and change in American policymaking. In P. Sabatier (Ed.), Theories of the policy process Oxford, UK: Westview Press.

Brehm, J., & Gates, S. (1997). Working, shirking, and sabotage: Bureaucratic response to a democratic public Ann Arbor, MI: University of Michigan Press.

Bruns, B., & Schneider, B. (2016). Managing the politics of quality reforms in education: policy lessons from global experience. Background Paper: The Learning Generation, (Working Paper prepared for International Commission on Financing Global Education Opportunity). Nova York, NY. Recuperado de http://report.educationcommission.org/wp-content/uploads/2017/01/Managing-the-Politics-of-Quality-Reforms.pdf

Capella, A., Brasil, F., & Sudano, A. (2015). O estudo da agenda governamental: reflexões metodológicas e indicativos para pesquisas(pp. 1-43). In Anais do 39º Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, MG.

Constituição Constituição da República Federativa do Brasil: Promulgada em 5 de outubro de 1988 (1988). Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.html

Cox, C. (2006). Policy formation and implementation in secondary education reform: The case of Chile at the turn of the century Washington, DC: World Bank.

Faria, C. (2012). Implementação de políticas públicas: teoria e prática Belo Horizonte, MG: PUC Minas.

Goggin, M, Bowman, A., Lester, P., & O’Toole, L., Jr. (1990). Implementation theory and practice: Toward a third generation Glenview, IL: Scott Foresman/Little, Brown.

Gomide, A., & Pires, R. (Eds.). (2014). Capacidades estatais e democracia. Arranjos institucionais de políticas públicas Brasília, DF: IPEA.

Hallinger, P. (2010). Making education reform happen: is there an “Asian” way? School Leadership & Management, 30(5), 401-418.

Heclo, H. (1978). Issue networks and the executive establishment. In A. King (Ed.), The New American Political System Washington, DC: American Enterprise Institute.

Hill, M., & Hupe P. (2002). Implementing Public Policy: Governance in theory and practice Londres, UK: Sage Publications.

Hill, M., & Hupe, P. (2003). The multi-layer problem in implementation research. Public Management Review, 5(4), 471-490.

Hill, M., & Varone, F. (2016). The public policy process Londres, UK: Routledge.

Holm-Nielsen, L. B., Thorn, K., Brunner, J. J., & Balán, J. (2005). Regional and international challenges to higher education in Latin America. In H. Wit, I. C. Jaramillo, J. Gacel-Ávila, & J. Knight (Ed.), Higher education in Latin America (pp. 39-69). Washington, DC: World Bank.

Howie, S. J. (2002). Renewal of secondary education curricula and assessment in South Africa. In World Bank (Ed.),Secondary education in Africa: Strategies for renewal(pp. 41-53). Washington, DC: World Bank .

Krawczyk, N. R., & Vieira, V. L. (2005). Um estudo sobre o estado da arte da reforma educacional na década de 90 na América Latina: Brasil, Argentina, Chile e México (Relatório de pesquisa). São Paulo, SP: FAPESP.

Lei Lei n. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017 (2017). Altera as Leis n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1 de maio de 1943, e o Decreto-Lei no 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei no 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm

Lindblom, C. (1965). The Science of Muddling Through. Public Administration Review, 19(2), 79-88.

Lotta, G. (2015). Burocracia e implementação de políticas de saúde Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz.

Lotta, G. (Org.). (2019). Teoria e análises sobre implantação de políticas públicas no Brasil Brasília, DF: ENAP.

Lotta, G., Nunes, A., Cavalcante, S., Ferreira, D., & Bonat, J. (2018). Por uma agenda brasileira de estudos sobre implementação de políticas públicas. Revista do Serviço Público, 69(4), 779-816.

Lotta, G., & Vaz, J. (2015). Arranjos institucionais de políticas públicas: aprendizados a partir de casos de arranjos institucionais complexos no Brasil.Revista do Serviço Público, 66(2), 171-194.

Mahoney, J., & Thellen, K. (2010). Explaining institutional change: Ambiguity, agency and power Cambridge, MA: Cambridge University Press.

Matland, R. (1995). Synthesizing the implementation literature: The ambiguity-conflict model of policy implementation. Journal of Public Administration Research and Theory, 5(2), 145-174.

Matus, C. (1996). Estratégias políticas: Chimpanzé, Maquiavel e Gandhi São Paulo, SP: Fundap.

May, P. (1993). Mandate design and implementation: Enhancing implementation efforts and shaping regulatory styles. Journal of Policy Analysis and Management, 12(4), 634-663.

May, P. (1995). Can cooperation be mandated? Implementing intergovernmental environmental management in New South Wales and New Zealand. Publius: the Journal of Federalism, 25(1), 89-114.

Ministério da Educação & Conselho Nacional dos Secretários de Educação. (2018). Guia de Implementação do Novo Ensino Médio Brasília, DF: Autor.

Moodley, G. (2013). Implementation of the curriculum and assessment policy statements: challenges and implications for teaching and learning (Dissertação de Mestrado). University of South Africa, Pretoria, South Africa.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2010). Ontario, Canada: Reform to support high achievement in a diverse context Paris, França: OECD Publishing.

Osborne, D., & Gaebler, T. (1998). Reinventando o governo: como o espírito empreendedor está transformando o setor público Brasília, DF: MH Comunicação.

Pierson, P. (2000). Increasing returns, path dependence and the study of politics. American Political Science Review, 94(2), 251-267.

Pollitt, C. (Ed.). (2013). Context in public policy and management: The missing link? Cheltenham, UK: Edward Elgar Publishing.

Pollitt, C., & Bouckaert, G. (2011).Public management reform: A comparative analysis - New public management, governance, and the Neo-Weberian State Oxford, UK: Oxford University Press.

Portaria Portaria nº 649, de 10 de julho de 2018 (2018). Institui o Programa de Apoio ao Novo Ensino Médio e estabelece diretrizes, parâmetros e critérios para participação. Brasília, DF. Recuperado de https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/29495231/do1-2018-07-11-portaria-n-649-de-10-de-julho-de-2018-29495216

Portaria Portaria nº 1.024, de 4 de outubro de 2018 (2018). Define as diretrizes do apoio financeiro por meio do Programa Dinheiro Direto na Escola às unidades escolares pertencentes às Secretarias participantes do Programa de Apoio ao Novo Ensino Médio, instituído pela Portaria MEC nº 649, de 10 de julho de 2018, e às unidades escolares participantes da avaliação de impacto do Programa de Fomento às Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral - EMTI, instituída pela Portaria MEC nº 1.023, de 4 de outubro de 2018. Brasília, DF. Recuperado de https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/44100315/do1-2018-10-05-portaria-n-1-024-de-4-de-outubro-de-2018-44100107

Pressman, J., & Wildavsky, A. (1973). Implementation: How great expectations in Washington are dashed in Oakland Berkeley, CA: University of California Press.

Rodrigues, D., & Jayo, M. (2016). Modernização administrativa em contexto subnacional. Estudo de caso do Detran-SP. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 21(68), 61-83.

Rodrigues, D., & Lotta, G. (2017). Análise do processo de implementação de reformas em organizações públicas: os casos do Poupatempo e do Detran-SP. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 22(72), 214-237.

Rothstein, B. (1998). Just institutions matter Cambridge, MA: Cambridge University Press .

Sabatier, P., & Jenkins-Smith, H. (1993). Policy change and learning: the advocacy coalition approach Boulder, CO: Westview Press.

Schneider, B., & Mizala, A. (2014). Negotiating education reform: Teacher evaluations and incentives in Chile (1990-2010) Recuperado de https://doi.org/10.1111/gove.12020

Segatto, C. (2011). Como ideias se transformam em reformas: um estudo comparativo das mudanças educacionais orientadas pelo desempenho nos estados brasileiros (Dissertação de Mestrado). Escola de Administração de Empresas de São Paulo/FGV, São Paulo, SP.

Segatto, C., & Abrucio, F. (2016). A cooperação em uma federação heterogênea: o regime de colaboração na educação em seis estados brasileiros. Revista Brasileira de Educação, 21(65), 411-429. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s1413-24782016216522

Sorensen, C. W. (1994). Success and education in South Korea. Comparative Education Review, 38(1), 10-35.

Tan, C., Koh, K., & Choy, W. (2016). The education system in Singapore. In S. Juszczyk (Ed.), Asian Education Systems Toruñ, Polônia: Adam Marszalek Publishing House.

Tan, J., & Gopinathan, S. (2000). Education reform in Singapore: Towards greater creativity and innovation. NIRA Review, 7(3), 5-10.