Eventos focalizadores e a pandemia da COVID-19: a renda básica emergencial na agenda governamental brasileira

Conteúdo do artigo principal

Felipe Gonçalves Brasil
https://orcid.org/0000-0001-7282-0110
Ana Cláudia Niedhardt Capella
https://orcid.org/0000-0002-1423-898X
Leandro Teodoro Ferreira
https://orcid.org/0000-0002-6947-6889

Resumo

Observar e analisar as causas, os efeitos e as múltiplas consequências econômicas, sociais e sanitárias da pandemia da COVID-19 têm sido primordiais não apenas para a compreensão desse fenômeno mundial, mas também para a elaboração de alternativas e soluções que minimizem os impactos na vida das populações ao redor do mundo. Este artigo tem como principal objetivo entender a ascensão da renda básica emergencial como alternativa viável de política pública no cenário brasileiro, por meio do Auxílio Emergencial. Baseado na literatura de agenda-setting, em específico no conceito de eventos focalizadores (focusing events), recuperamos um breve histórico das políticas de transferência de renda e de combate à pobreza e os principais atores envolvidos, para entender mudanças, adaptações e soluções propostas para que a alternativa de renda básica emergencial pudesse ser considerada e aceita neste momento específico de crise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Brasil, F. G., Capella, A. C. N., & Ferreira, L. T. (2021). Eventos focalizadores e a pandemia da COVID-19: a renda básica emergencial na agenda governamental brasileira. Revista De Administração Pública, 55(3), 644–661. https://doi.org/10.1590/0034-761220200619
Seção
Artigos

Referências

Bacha, E. L; & Unger, R. M. (1978). Participação, salário e voto: um projeto de democracia para o Brasil Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Bartholo, L. Paiva, L. H. & Souza, P. F. (2020, abril 03). O desafio de implantar o auxílio emergencial para os informais. Valor Econômico Recuperado de https://valor.globo.com/opiniao/coluna/o-desafio-de-implantar-o-auxilio-emergencial-para-os-informais.ghtml

Baumgartner, F; & Jones, B. (1993). Agendas and instability in American politics Chicago, IL: University of Chicago Press.

Bichir, R. M. (2010). O Bolsa Família na Berlinda? Novos Estudos CEBRAP, 87, 114-129.

Bichir, R. M. (2016). Novas agendas, novos desafios: reflexões sobre as relações entre transferência de renda e assistência social no Brasil. Novos Estudos CEBRAP, 35(1), 111-136.

Birkland, T. (1997). After Disaster: agenda-setting, public policy and focusing events Washington, DC: Georgetown University Press.

Birkland, T. (1998). Focusing Events, Mobilization, and Agenda Setting. Journal of Public Policy, 18, 53-74.

Brasil, F. G. (2020). Estudos em Políticas Públicas e a COVID-19: Indicativos de uma agenda de pesquisa. Interseções, 22(3), 336-347.

Brasil, F. G; & Capella, A. C. N. (2020). Janelas escancaradas: o potencial da Pandemia na mudança em políticas públicas. Boletim: Cientistas sociais e o coronavírus Recuperado dehttp://www.anpocs.com/index.php/ciencias-sociais/destaques/2325-boletim-semanal

Capella, A. C. N. (2007). Perspectivas Teóricas sobre o Processo de Formulação de Políticas Públicas. In G. Hochman, M. Arretche, & E. Marques(Orgs.), Políticas Públicas no Brasil Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz.

Capella, A. C. N. (2016). Agenda-setting policy: strategies and agenda denial mechanisms”. Organizações & Sociedade, 23(79), 675-691.

Capella, A. C. N; & Brasil, F. G. (2016). Análise de políticas públicas: uma revisão da literatura sobre o papel dos subsistemas, comunidades e redes. Novos estudos CEBRAP, 101, 57-76.

Cardoso, B. B. (2020). A implementação do Auxílio Emergencial como medida excepcional de proteção social. Revista de Administração Pública, 54(4), 1052-1063.

Carmo, E. H; Penna, G; & Oliveira, W. K. (2008). Emergências de saúde pública: conceito, caracterização, preparação e resposta. Estudos Avançados, 22(64), 19-32.

Chimini L; & Xavier S. (2020, maio 18). Auxílio Emergencial e a burocracia que tritura gente. Outras Palavras Recuperado de https://outraspalavras.net/crise-brasileira/auxilio-emergencial-e-a-burocracia-que-tritura-gente/

Cobb, R; & Elder, C.(1971). The Politics of Agenda-Building: An Alternative Perspective for Modern Democratic Theory. Journal of Politics, 33(4), 892-915.

Coêlho, D. B. (2013). A agenda social nos governos FHC e Lula: competição política e difusão do modelo renda mínima. In G. Hochman , & C. A. P. Faria(Orgs.), Federalismo e políticas públicas no Brasil Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz .

Dearing, J; & Rogers, E. (1996). Agenda-setting Thousand Oaks, CA: Sage.

Downs, A. (1972, Summer). Up and Down with Ecology - The Issue Attention Cycle. Public Interest, 28, 38-50.

Fagnani, E. (2017, junho). O fim do breve ciclo da cidadania social no Brasil (1988-2015)(texto para discussão, nº 308). Campinas, SP: IE/UNICAMP.

Farah, M. F. S. (2008). Disseminação de inovações e políticas públicas e espaço local. Organizações & Sociedade, 15(45), 121-126.

Ferreira, L. T. (2019). Renda básica - controvérsia e implementação (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do ABC, São Bernardo do Campo, SP.

Ferreira, L. T. (2020, abril 29). Uma via expressa para a renda básica universal? Le Monde Diplomatique Brasil Recuperado dehttps://diplomatique.org.br/uma-via-expressa-para-a-renda-basica-universal/

Gentilini, U; Almenfi, M. B. A; Dale, P; Demarco, G. C; & Santos, I. V. (2020, May 1). Social Protection and Jobs Responses to COVID-19: A Real -Time Review of Country Measures .COVID-19 Living Paper. Washington, DC: World Bank Group. Recuperado dehttp://documents.worldbank.org/curated/en/883501588611600156/Social-Protection-and-Jobs-Responses-to-COVID-19-A-Real-Time-Review-of-Country-Measures-May-1-2020

Gonzales, L, & Lotta, G. (2020, setembro 21). Erros de gestão podem deixar 6 milhões de famílias sem auxílio na pandemia. Folha de São Paulo Recuperado dehttps://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/09/erros-de-gestao-podem-deixar-6-milhoes-de-familias-sem-auxilio-na-pandemia.shtml

Leite, C. K. S; Peres, U. D. (2015). Paradigmas de Desenvolvimento e Disseminação de Políticas: Raízes Locais da Criação do Programa Bolsa Família.Organizações & Sociedade, 22(75), 621-638.

Leite, C. K. S; Peres, U. D; & Bellix, L. (2012). Disseminação e inovação de políticas sociais na América Latina: Uma análise dos programas de transferência de renda condicionada no Brasil e no México. In Anais do 36° Encontro Anual da ANPOCS, Águas de Lindóia, SP.

Jaccoud, L. (2010). O Programa Bolsa família e o combate à pobreza: Reconfigurando aproteção social no Brasil? In J. A. Castro, & L. Modesto (Orgs.), Bolsa Família 2003-2010: Avanços e desafios(Vol. 1, pp. 101-135). Brasília, DF: Ipea.

Jaccoud, L; Bichir, R; & Mesquita, A. C. (2017). O SUAS na proteção social brasileira: Transformações recentes e perspectivas.Novos estudos CEBRAP, 36(2), 37-53. Recuperado de https://doi.org/10.25091/s0101-3300201700020003

Majone, G. (1989). Evidence, Argument & Persuasion in the Policy Process New Haven, CO: Yale University Press.

March, J. G. (2009). Como as Decisões Realmente Acontecem: princípios da tomada de decisões São Paulo, SP: Leopardo.

March, J. G; Olsen, Johan P; & Cohen, M. D. (1972). A Garbage Can Model of Organizational Choice. Administrative Science Quartely, 17, 1-25.

Orofino, A. (2020, maio). O Levante: Como nasceu a inédita mobilização que, em questão de dias, forçou o governo a pagar uma renda básica aos mais pobres. Revista Piauí Recuperado de https://piaui.folha.uol.com.br/materia/o-levante/

Partido do Movimento Democrático Brasileiro. (2015). Uma ponte para o futuro Brasília, DF: Fundação Ulysses Guimarães. Recuperado dehttps://www.fundacaoulysses.org.br/wp-content/uploads/2016/11/UMA-PONTE-PARA-O-FUTURO.pdf

Pochmann, M. (2007, outubro). Segurança social no capitalismo periférico: algumas considerações sobre o caso brasileiro. Nueva Sociedad Recuperado de https://nuso.org/articulo/seguranca-social-no-capitalismo-periferico-algumas-consideracoes-sobre-o-caso-brasileiro/

Renda Básica Que Queremos. (2020, março 23). Nota técnica da campanha Renda Básica que Queremos: Proposta de Renda Básica Emergencial voltada aos mais desprotegidos durante a pandemia do Coronavírus. Recuperado dehttp://rendabasica.com.br/rbrb-biblioteca/nota-tecnica-renda-basica-emergencial-contra-os-impactos-do-coronavirus/

Roque, T; & Ferreira, L. (2020, março 30). Renda básica, antes folclórica, vira medida essencial para enfrentar crise do coronavírus. Folha de S. Paulo Recuperado dehttps://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2020/03/renda-basica-antes-folclorica-vira-medida-essencial-para-enfrentar-crise-do-coronavirus.shtml

Silva, J. P. (2014). Por que Renda Básica?São Paulo, SP: Annablume.

Silva, M. O; Yazbek, M. C; & Di Giovanni, G. A. (2012). Política social brasileira no século XXI: a prevalência dos programas de transferência de renda (6a ed.). São Paulo, SP: Cortez Editora.

Silveira, A. M. (1975). Redistribuição da renda.Revista Brasileira de Economia, 29(2), 3-15.

Soares, F. V; Soares, S; Medeiros, M; & Osório, R. G. (2006, outubro). Programas de Transferência de Renda no Brasil: Impactos sobre a desigualdade (Texto para discussão, No 1228). Brasília, DF: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Recuperado de http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1228.pdf

Sposati, A. (1997). Sobre os programas brasileiros de garantia de renda mínima - PGRM. In A. Sposati(Org.), Renda mínima e crise mundial, saída ou agravamento? São Paulo, SP: Cortez.

Suplicy, E. M. (2013). Renda de Cidadania - A saída é pela porta São Paulo, SP: Cortez Editora.