A relação entre demanda e desempenho dos magistrados: investigação de um modelo funcional em forma de U invertido

Conteúdo do artigo principal

Renan Marçal Manzi
https://orcid.org/0000-0002-4700-8048
Marcos de Moraes Sousa
https://orcid.org/0000-0002-0901-0550

Resumo

A hipótese da produtividade exógena aponta a relação entre quantidade de juízes e desempenho como linear, porém várias fragilidades vêm sendo apontadas, como o limite de produção dos juízes. Diante disso, o objetivo deste trabalho é testar se o desempenho dos juízes em relação à demanda tem um modelo funcional em forma de U invertido. Os dados usados na pesquisa compreendem os anos de 2009 a 2019. Os resultados foram estatisticamente significantes para todas as variáveis analisadas, tanto para a justiça estadual quanto para a trabalhista, confirmando a hipótese de que o desempenho e a demanda judicial podem responder a um modelo funcional em forma de U invertido. A confirmação da hipótese de pesquisa traz luz à discussão sobre como a pressão da demanda afeta o desempenho e como elas se relacionam. Este artigo discutiu e endossou as conclusões de outros autores sobre fragilidades e incongruências da hipótese da produtividade exógena para o Judiciário. Há evidências empíricas de que o aumento da demanda judicial pressiona o aumento de desempenho dos juízes, mas esse crescimento tem limites, e a partir de determinado ponto isso pode declinar e afetar negativamente o desempenho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Manzi, R. M., & Sousa, M. de M. (2021). A relação entre demanda e desempenho dos magistrados: investigação de um modelo funcional em forma de U invertido. Revista De Administração Pública, 55(5), 1215–1231. https://doi.org/10.1590/0034-761220210027
Seção
Artigos

Referências

Agresti, A., & Finlay, B. (2012). Métodos estatísticos para as ciências sociais (4a ed.). Porto Alegre, RS: Penso.

Beenstock, M., & Haitovsky, Y. (2004). Does the appointment of judges increase the output of the judiciary? International Review of Law and Economics, 24(3), 351-369.

Bielen, S., Peeters, L., Marneffe, W., & Vereeck, L. (2018). Backlogs and litigation rates: Testing congestion equilibrium across European judiciaries. International Review of Law and Economics, 53, 9-22.

Blank, J. L. T., & Heezik, A. A. S. (2020). Policy reforms and productivity change in the judiciary system: a cost function approach applied to time series of the Dutch judiciary system between 1980 and 2016. International Transactions in Operational Research, 27(4), 2002-2020.

Christensen, R. K., & Szmer, J. (2012). Examining the efficiency of the U.S. courts of appeals: Pathologies and prescriptions. International Review of Law and Economics, 32(1), 30-37.

Conselho Nacional de Justiça. (2020). Justiça em números 2020. Brasília, DF: Autor.

Dimitrova-Grajzl, V., Grajzl, P., Slavov, A., & Zajc, K. (2016). Courts in a transition economy: case disposition and the quantity–quality tradeoff in Bulgaria. Economic Systems, 40(1), 18-38.

Dimitrova-Grajzl, V., Grajzl, P., Sustersic, J., & Zajc, K. (2012). Court output, judicial staffing, and the demand for court services: evidence from Slovenian courts of first instance. International Review of Law and Economics, 32(1), 19-29.

Falavigna, G., Ippoliti, R., & Ramello, G. B. (2018). DEA-based Malmquist productivity indexes for understanding courts reform. Socio-Economic Planning Sciences, 62, 31-43.

Fávero, L. P. L., Belfiore, P. P., Silva, F. L., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada de dados para tomada de decisões (6a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

Ferro, G., Romero, C. A., & Romero-Gómez, E. (2018). Efficient courts? A frontier performance assessment. Benchmarking – An International Journal, 25(9), 3443-3458.

Gomes, A. O. (2018). Chegamos ao limite da produtividade no Judiciário brasileiro? In Anais do Encontro da Administração da Justiça, Brasília, DF.

Gomes, A. O., Alves, S. T., & Silva, J. T. (2018). Effects of investment in information and communication technologies on productivity of courts in Brazil. Government Information Quarterly, 35(3), 480-490.

Gomes, A. O., & Freitas, M. E. M. (2017). Correlação entre demanda, quantidade de juízes e desempenho judicial em varas da Justiça Federal no Brasil. Revista Direito GV, 13(2), 567-585.

Gomes, A. O., & Guimarães, T. A. (2013). Desempenho no Judiciário: conceituação, estado da arte e agenda de pesquisa. Revista de Administração Pública, 47(2), 379-401.

Gomes, A. O., Guimaraes, T. A., & Akutsu, L. (2017). Court caseload management: the role of judges and administrative assistants. Revista de Administração Contemporânea, 21(5), 648-665.

Gomes, A. O., Lopes, L. P. F., Zancan, C., Neto, M. C. L., Costa, A. C. S., Dantas, A. B., & Ataide, J. A. R. (2017). Variáveis correlacionadas com a produtividade de juízes da primeira instância da Justiça Estadual de Minas Gerais. Sistemas & Gestão, 12(4), 401-409.

Gujarati, D. N., & Porter, D. C. (2011). Econometria básica (5a ed.). Porto Alegre, RS: Editora Afiliada.

Hill, R. C., Griffiths, W. E., & Judge, G. G. (2006). Econometria (2a ed.). São Paulo, SP: Saraiva.

Jonski, K., & Mankowski, D. (2014). Is sky the limit? Revisiting “exogenous productivity of judges” argument. International Journal for Court Administration, 6(2), 53-72.

Louro, A. C., Santos, W. R., & Zanquetto, H., Filho. (2018). Productivity antecedents of Brazilian courts of Justice: evidence from Justiça em Números. Brazilian Administration Review, 14(4), 1-18.

Maddala, G. S. (2003). Introdução à econometria (3a ed.). Rio de Janeiro, RJ: LTC.

Peyrache, A., & Zago, A. (2016). Large courts, small justice! Omega, 64, 42-56.

Procopiuck, M. (2018). Information technology and time of judgment in specialized courts: What is the impact of changing from physical to electronic processing? Government Information Quarterly, 35(3), 491-501.

Ramseyer, J. M. (2012). Talent matters: judicial productivity and speed in Japan. International Review of Law and Economics, 32(1), 38-48.

Ribeiro, M. C. P., & Rudiniki, R., Neto. (2016). Uma análise da eficiência do poder judiciário com base no pensamento de Douglas North. Revista Quaestio Iuris, 9(4), 2025-2040.

Rosales-López, V. (2008). Economics of court performance: an empirical analysis. European Journal of Law and Economics, 25(3), 231-251.

Roussey, L., & Soubeyran, R. (2018). Overburdened judges. International Review of Law and Economics, 55, 21-32.

Santos, S. P., & Amado, C. A. F. (2014). On the need for reform of the Portuguese judicial system: does data envelopment analysis assessment support it? Omega, 47, 1-16.

Sousa, M. D. M., & Guimarães, T. A. (2014). Inovação e desempenho na administração judicial: desvendando lacunas conceituais e metodológicas. Review of Administration and Innovation, 11(2), 321.

Sousa, M. D. M., & Guimaraes, T. A. (2018). Resources, innovation and performance in labor courts in Brazil. Revista de Administração Pública, 52(3), 486-506.

Teixeira, J. C., Bigotte, J. F., Repolho, H. M., & Antunes, A. P. (2019). Location of courts of justice: the making of the new judiciary map of Portugal. European Journal of Operational Research, 272(2), 608-620.

Voigt, S. (2012). On the optimal number of courts. International Review of Law and Economics, 32(1), 49-62.

Werkema, M. C. C. (1996). Análise de regressão: como entender o relacionamento entre as variaveis de um processo. Belo Horizonte, MG: UFMG.

Wooldridge, J. M. (2010). Introdução a econometria: uma abordagem moderna. São Paulo, SP: Cengage Learning.

Yeung, L. L., & Azevedo, P. F. (2011). Measuring efficiency of Brazilian courts with data envelopment analysis (DEA). IMA Journal of Management Mathematics, 22(4), 343-356.