Efeitos políticos na descontinuidade do orçamento participativo em municípios

Conteúdo do artigo principal

Ricardo Rocha de Azevedo
https://orcid.org/0000-0001-6302-0760
Ricardo Lopes Cardoso
https://orcid.org/0000-0002-0058-0063
Armando Santos Moreira da Cunha
https://orcid.org/0000-0002-3412-4031
Brian Wampler
https://orcid.org/0000-0001-8338-8095

Resumo

O artigo analisa fatores associados à descontinuidade do orçamento participativo (OP) em municípios brasileiros acima de 50 mil habitantes no período entre 2000 e 2016. A pesquisa foi analisada pela estimação de modelos econométricos com foco em variáveis explicativas políticas e pela propensão do ambiente local à participação. Os resultados indicam que a descontinuidade está associada positivamente com a troca do partido do prefeito municipal entre as eleições, a despeito da ideologia do partido; positivamente com a troca da ideologia do partido do prefeito, com entrada de partidos de esquerda; negativamente com a entrada de partidos com outras ideologias; positivamente com a troca entre partidos de esquerda. A descontinuidade não apresentou efeito com a troca entre partidos com outras ideologias. Os resultados indicam fatores locais e contextuais explicativos para a descontinuidade do OP, permitindo direcionar desenho de políticas públicas participativas e levantando reflexividade sobre mecanismos que devem ser adotados localmente para que não ocorra a descontinuidade, além de contribuir para a literatura ao demonstrar a associação entre a descontinuidade com a troca de partidos da esquerda, o que pode suscitar pesquisas futuras, dado que o resultado não era esperado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Azevedo, R. R. de, Cardoso, R. L., Cunha, A. S. M. da, & Wampler, B. (2022). Efeitos políticos na descontinuidade do orçamento participativo em municípios. Revista De Administração Pública, 56(3), 349–372. https://doi.org/10.1590/0034-761220210368
Seção
Artigos

Referências

Abreu, W. M., & Gomes, R. C. (2018). Medindo o nível da influência colaborativa dos stakeholders e das ações de orçamento aberto. Revista de Administração Pública, 52(4), 593-609. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0034-7612173451

Arvate, P. R., Avelino, G., & Lucinda, C. R. (2008). Existe influência da ideologia sobre o resultado fiscal dos governos estaduais Brasileiros? Estudos Econômicos, 38(4), 789-814. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0101-41612008000400004

Avritzer, L. (2003). O orçamento participativo e a teoria democrática: um balanço crítico. In L. Avritzer, & Z. Navarro (Eds.), A inovação democrática no Brasil: o orçamento participativo. São Paulo, SP: Cortez.

Avritzer, L., & Navarro, Z. (2003). A inovação democrática no Brasil. São Paulo, SP: Cortez.

Azevedo, R. R., Cardoso, R. L., Cunha, A. S. M., & Wampler, B. (2022). O orçamento participativo e a dinâmica orçamentária no setor público. Revista de Contabilidade e Organizações, 16, e193141. Recuperado de https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2022.193141

Baiocchi, G. (2003). Radicals in power: the workers’ party and experiments in urban democracy in Brazil. São Paulo, SP: Zed Books.

Baiocchi, G., & Ganuza, E. (2014). Participatory budgeting as if emancipation mattered. Politics and Society, 42(1), 29-50. Recuperado de https://doi.org/10.1177/0032329213512978

Baiocchi, G., & Ganuza, E. (2017). Popular democracy: the paradox of participation. Stanford, CA: Stanford University Press.

Bartocci, L., Grossi, G., Mauro, S. G., & Ebdon, C. (2022). The journey of participatory budgeting: a systematic literature review and future research directions. International Review of Administrative Sciences. Recuperado de https://doi.org/10.1177/00208523221078938

Benito, B., & Bastida, F. (2009). Budget transparency, fiscal performance, and political turnout: an international approach. Public Administration Review, 69(3), 403-417.

Boonstra, B., & Boelens, L. (2011). Self-organization in urban development: towards a new perspective on spatial planning. Urban Research and Practice, 4(2), 99-122. Recuperado de https://doi.org/10.1080/17535069.2011.579767

Burns, J., & Scapens, R.W. (2000, março). Conceptualizing management accounting change: an institutional framework. Management Accounting Research, 11(1), 3-25. Recuperado de https://doi.org/10.1006/mare.1999.0119

Célérier, L., & Botey, L. E. C. (2015). Participatory budgeting at a community level in Porto Alegre: a Bourdieusian interpretation. Accounting, Auditing and Accountability Journal, 28(5), 739-772. Recuperado de https://doi.org/10.1108/AAAJ-03-2013-1245

Cornwall, A., & Coelho, V. S. P. (2007). Spaces for change? The politics of citizen participation in new democratic arenas. São Paulo, SP: Zed Books.

Costa, D. M. D. (2010). Vinte anos de orçamento participativo: análise das experiências em municípios brasileiros. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 15(56), 8-28. Recuperado de https://doi.org/10.12660/cgpc.v15n56.3190

Dias, N. (2018). Hope for democracy: 30 years of participatory budgeting worldwide. Hope for Democracy. Recuperado de https://www.oficina.org.pt/hopefordemocracy.html

Dias, N., Enríquez, S., & Júlio, S. (2019). The participatory budgeting world atlas. Epopeia and Oficina. Recuperado de https://www.oficina.org.pt/participatory-budgeting-world-atlas-2019.html

Diniz, E., & Afonso, J. R. (2014, janeiro). Benefícios fiscais concedidos (e mensurados) pelo governo federal (Texto de Discussão IBRE, 26). Rio de Janeiro, RJ: FGV IBRE. Recuperado de https://portalibre.fgv.br/sites/default/files/2021-03/benef_cios-fiscais-concedidos-_e-mensurados_-pelo-governo-federal.pdf

Duriguetto, M. L., & Demier, F. (2017). Democracia blindada, contrarreformas e luta de classes no Brasil contemporâneo. Argumentum, 9(2), 8-19. Recuperado de https://doi.org/10.18315/argum..v9i2.17066

Ebdon, C., & Franklin, A. L. (2006). Citizen participation in budgeting theory. Public Administration Review, 66(3), 437-447. Recuperado de https://doi.org/10.1111/j.1540-6210.2006.00600.x

Emenda Constitucional nº 108, de 26 de agosto de 2020. (2020). Altera a Constituição Federal para estabelecer critérios de distribuição da cota municipal do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), para disciplinar a disponibilização de dados contábeis pelos entes federados, para tratar do planejamento na ordem social e para dispor sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb); altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc108.htm

Fávero, L. P., Belfiore, P., Silva, F. L., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para toma de decisões. Rio de Janeiro, RJ: Campus.

Fedozzi, L., Ramos, M. P., & Gonçalves, F. G. (2020). Orçamentos participativos: variáveis explicativas e novos cenários que desafiam a sua implementação. Revista de Sociologia e Política, 28(73), e005. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1678-987320287305

Fishkin, J. S. (2009). When the people speak: deliberative democracy and public consultation. Oxford, UK: Oxford University Press.

Franzese, C., & Pedroti, P. M. (2005). Limites e possibilidades do orçamento participativo: para além da retórica. Revista de Administração Pública, 39(2), 207-230.

Goetz, A. M., & Jenkins, R. (2001). Hybrid forms of accountability: citizen engagement in institutions of public-sector oversight in India. Public Management Review, 3(3), 363-383. Recuperado de https://doi.org/10.1080/14616670110051957

Gonçalves, S. (2014, janeiro). The effects of participatory budgeting on municipal expenditures and infant mortality in Brazil. World Development, 53, 94-110. Recuperado https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2013.01.009

Grin, E. J. (2018). Gestão dos territórios da cidade em São Paulo: a berlinda entre a democracia representativa e os mecanismos de controle social. Revista de Administração Pública e Controle Social, 10(2), 136-147. Recuperado de https://doi.org/10.21118/apgs.v0i0.5335

Iasulaitis, S., Nebot, C. P., Carneiro, E., & Sampaio, R. C. (2019). Interatividade e ciclo de políticas públicas no orçamento participativo digital: uma análise internacional. Revista de Administração Pública, 53(6), 1091-1115. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0034-761220180272

Lopez, F., & Pires, R. R. (2010). Instituições participativas e políticas públicas no Brasil: características e evolução nas últimas duas décadas. In J. C. Cardoso Junior (Coord.), Brasil em desenvolvimento 2010: Estado, planejamento e políticas públicas (Volume 1). Brasília, DF: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Marsh, D., & Li, Y. (2008). New forms of political participation: searching for expert citizens and everyday makers. British Journal of Political Science, 38(2), 247-272. Recuperado de https://doi.org/10.1017/S0007123408000136

Massardi, W. O., & Abrantes, L. A. (2016). Dependência dos municípios e Minas Gerais em relação ao FPM. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 1(6), 173-187. Recuperado de https://doi.org/10.18028/rgfc.v6i1.1127

Nickson, A. (2020). Local government in Latin America: the struggle to overcome social exclusion. In R. Kerley, J. Liddle, & P. Dunning (Eds.), The Routledge handbook of international local government. London, UK: Routledge.

Novaes, F. S., & Santos, M. E. P. (2014). O orçamento participativo e a democratização da gestão pública municipal: a experiência de Vitória da Conquista (BA). Revista de Administração Pública, 48(4), 797- 820. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0034-76121668

O’Donnell, G. (1998). Accountability horizontal e novas poliarquias. Lua Nova, 44(98), 27-54. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-64451998000200003

Oliveira, O. P. (2016). Mecanismos da difusão global do orçamento participativo: indução internacional, construção social e circulação de indivíduos. Opinião Pública, 22(2), 219-249. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1807-01912016222219

Park, Y. (2020). Participatory budgeting and willingness to pay taxes: evidence from an exploratory sequential mixed methods study. Washington, DC: The George Washington University.

Peres, U. D. (2020). Dificuldades institucionais e econômicas para o orçamento participativo em municípios brasileiros. Caderno CRH, 33, e020007. Recuperado de https://doi.org/10.9771/ccrh.v33i0.33972

Pires, R. R. C. (2011). Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília, DF: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Rezende, F., & Cunha, A. S. M. (2013). A reforma esquecida: orçamento, gestão pública e desenvolvimento. Rio de Janeiro, RJ: FGV.

Royo, S., Yetano, A., & Acerete, B. (2011). Citizen participation in German and Spanish local governments: a comparative study. International Journal of Public Administration, 34(3), 139-150. Recuperado de https://doi.org/10.1080/01900692.2010.533070

Sampaio, R. C. (2016). E-orçamentos participativos como iniciativas de e-solicitação: uma prospecção dos principais casos e reflexões sobre a e-participação. Revista de Administração Pública, 50(6), 937-958. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0034-7612152210

Sampaio, R. C., Braga, S., Carlomagno, M. C., Marioto, D. J. F., Brum, M., & Borges, T. (2019). Estado da arte da democracia digital no Brasil: oferta e sobrevivência das iniciativas (1999-2016). Revista do Serviço Público, 70(4), 693-734. Recuperado de https://doi.org/10.21874/rsp.v70i4.3543

Schick, A. (2011, outubro). Repairing the budget contract between citizens and the state. OECD Journal on Budgeting, 3, 7-28. Recuperado de https://doi.org/10.1787/budget-11-5kg3pdgctc8v

Shah, A. (2007). Participatory Budgeting. Washington, DC: The World Bank.

Shalders, A. (2017, setembro 11). Direita ou esquerda? Análise de votações indica posição de partidos brasileiros no espectro ideológico. BBC News. Recuperado de https://www.bbc.com/portuguese/brasil-41058120

Sintomer, Y., Herzberg, C., Allegretti, G., Röcke, A., & Alves, M. (2013). Dialog global n. 25: Participatory Budgeting Worldwide. - Updated Study. Dialog Global. Recuperado de https://www.service-eine-welt.de

Sintomer, Y., Herzberg, C., & Röcke, A. (2012). Modelos transnacionais de participação cidadã: o caso do orçamento participativo. Sociologias, 14(30), 70-116. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1517-45222012000200004

Siqueira, L. F., & Marzulo, E. P. (2021). Da democracia participativa à desdemocratização na cidade: a experiência do orçamento participativo em Porto Alegre. Cadernos Metrópole, 23(50), 399-422. Recuperado de https://doi.org/10.1590/2236-9996.2021-5016

Souza, C. (2001). Participatory budgeting in Brazilian cities: limits and possibilities in building democratic institutions. Environment and Urbanization, 13(1), 159-184. Recuperado de https://doi.org/10.1177/095624780101300112

Spada, P. (2017). Dataset on Brazilian participatory budgeting: 1989 to 2012. Cambridge, MA: Harvard Dataverse.

Touchton, M. R., & Wampler, B. (2020). Public engagement for public health: participatory budgeting, targeted social programmes, and infant mortality in Brazil. Development in Practice, 30(5), 681-686. Recuperado de https://doi.org/10.1080/09614524.2020.1742662

Touchton, M. R., Wampler, B., & Peixoto, T. (2020). Of democratic governance and revenue: participatory institutions and tax generation in Brazil. Governance, 34(4), 1193-1212. Recuperado de https://doi.org/10.1111/gove.12552

Touchton, M. R., Wampler, B., & Spada, P. (2019). The digital revolution and governance in Brazil: evidence from participatory budgeting. Journal of Information Technology and Politics, 16(2), 154-168. Recuperado de https://doi.org/10.1080/19331681.2019.1613281

Wampler, B. (2003). Orçamento participativo: uma explicação para ampla variação nos resultados. In L. Avritzer, & Z. Navarro (Eds.), A inovação democrática no Brasil: o orçamento participativo. São Paulo, SP: Cortez.

Wampler, B. (2007). Participatory budgeting in Brazil: contestation, cooperation, and accountability. State College, PA: Penn State Press.

Wampler, B. (2008a). A difusão do orçamento participativo brasileiro: “boas práticas” devem ser promovidas? Opinião Pública, 14(1), 65-95. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0104-62762008000100003

Wampler, B. (2008b). When does participatory democracy deepen the quality of democracy? Lessons from Brazil. Comparative Politics, 41(1), 61-81.

Wampler, B., & Goldfrank, B. (2022). The rise, spread, and decline of Brazil’s participatory budgeting: the arc of a democratic innovation. London, UK: Palgrave Macmillam.

Wijnhoven, F., Ehrenhard, M., & Kuhn, J. (2015, janeiro). Open government objectives and participation motivations. Government Information Quarterly, 32(1), 30-42. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.giq.2014.10.002

Zucco, C., & Power, T. J. (2019). Replication data for: fragmentation without cleavages? Endogenous fractionalization in the Brazilian party system. Cambridge, MA: Harvard Dataverse.

Zucco, C., & Power, T. J. (2021). Fragmentation without cleavages? Endogenous fractionalization in the Brazilian party system. Comparative Politics, 53(3), 477-500.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>