A “criminosa” está aqui? A pergunta pela mulher em artigos sobre tráfico de drogas de uma revista de Ciências Criminais brasileira

Autores

Palavras-chave:

Criminosa, criminalidade feminina, Ciências Criminais, tráfico de drogas, método legal feminista

Resumo

Este artigo tem como objetivo mapear e discutir as representações construídas em torno da “criminosa” em um periódico das Ciências Criminais brasileiras, bem como demarcar ausências dessa categoria, a partir de um método jurídico feminista. Para tanto, utilizamos a análise documental, recortando uma amostra composta de artigos da Revista Brasileira de Ciências Criminais (RBCCrim) publicados nos últimos vinte anos com a temática do comércio ilícito de entorpecentes. O material foi lido sob a ótica da técnica de análise de conteúdo, direcionada pela proposta de Katharine Bartlett em Feminist Legal Methods. Ao final, no contexto de crescente aumento da criminalização da mulher e do interesse pelo tema, concluímos que, apesar de a categoria “criminosa” estar presente em grande parte da amostra, ela foi mobilizada mais de forma descritiva – para a composição de um cenário – do que como categoria analítica, a partir da reflexividade sobre gênero e crime.

Biografia do Autor

Ana Gabriela Mendes Braga, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, São Paulo, Brasil

Pós-Doutora pelo Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA), da Universidade do Minho (UMinho), e Universidade de Brasília (UnB). Mestra e doutora em Direito Penal e Criminologia pela Universidade de São Paulo (USP), com período sanduíche junto ao Departamento de Antropologia da Universitat de Barcelona (UB). Professora da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp – Franca).

Letícia Cardoso Ferreira, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, São Paulo, Brasil

Doutoranda e mestra em Direito pela Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp).

Downloads

Publicado

2023-04-19

Edição

Seção

Artigos