Aportes para uma história da regulação jurídica da água no Brasil a partir do Código de Águas de 1934

Autores

  • Diego Nunes Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.12660/rda.v281.2022.85660

Palavras-chave:

Código de Águas, direito regulatório, história do direito

Resumo

O trabalho contribui para a construção de bases para o estudo histórico-jurídico sobre a regulação do uso da água no Brasil, com especial atenção para o Código de Águas de 1934. O problema reside em verificar quais as estratégias para a regulação de um regime jurídico para o uso das águas no Brasil ao longo do século XX, porque até então há pouquíssimos trabalhos neste sentido, que não possuem análise aprofundada das fontes. Para tanto, recolhe a historiografia dispersa sobre o tema, dividida entre estudiosos de áreas afins como geografia e hidrologia, bem como a produção da história política e social sobre o tema e histórico-jurídica sobre temas correlatos, além de sistematizar as fontes legislativas ao entorno do Código de Águas, como decretos e trabalhos legislativos preliminares. Como resultado, obtém-se uma sistematização dos estudos e uma canalização para os elementos jurídicos, levando em consideração a permanência em vigor da codificação diante de um cenário de regulação muito diverso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Nunes, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor adjunto nos cursos de graduação e pós-graduação (mestrado acadêmico e doutorado) em direito da UFSC. Doutorado em ciências jurídicas, currículo História do Direito, pela Universidade de Macerata (Itália).

Referências

ABREU, Alzira Alves de. Conselho Nacional de Águas e Energia Elétrica [verbete]. ABREU, Alzira Alves de et al. Dicionário histórico-biográfico brasileiro pós 1930. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

BERCOVICI, Gilberto. Direito econômico do petróleo e dos recursos minerais. São Paulo: Quartier Latin, 2011.

BRASIL. Anais da Assembleia Nacional Constituinte. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1935. v. I [1933].

BRASIL. Anais da Assembleia Nacional Constituinte. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1935. v. II [1933].

BRASIL. Anais da Assembleia Nacional Constituinte. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1935. v. VII [1934].

BRASIL. Anais da Assembleia Nacional Constituinte. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1936. v. X [1934].

BRASIL. Anais da Assembleia Nacional Constituinte. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1936. v. XIII [1934].

BRASIL. Anais da Assembleia Nacional Constituinte. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1936. v. XIV [1934].

BRASIL. Anais da Assembleia Nacional Constituinte. V. XVII [1934]. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1936.

BRASIL. Anais da Assembleia Nacional Constituinte. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1937. v. XIX [1934].

BRASIL. Anais da Assembleia Nacional Constituinte. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1936. v. XV [1934].

BRASIL. Anais da Assembleia Nacional Constituinte. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1936. v. XVI [1934].

BRASIL. Anais da Assembleia Nacional Constituinte. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1937. v. XX [1934].

BRASIL. Anais da Assembleia Nacional Constituinte. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1937. v. XXI [1934].

BRASIL. Anais da Assembleia Nacional Constituinte. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1937. v. XXII [1934].

BRASIL. Código de águas. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 20 jul. 1934. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil (de 24 de fevereiro de 1891).

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil (de 16 de julho de 1934).

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 10 de novembro de 1937.

BRASIL. Constituição Política do Império do Brasil, elaborada por um Conselho de Estado e outorgada pelo imperador d. Pedro I, em 25.3.1824.

BRASIL. Decreto nº 19.398, de 11 de novembro de 1930. Institui o Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil, e dá outras providências.

BRASIL. Decreto nº 19.684, de 10 de fevereiro de 1931. Promulga os dispositivos disciplinares da Comissão Legislativa, com sede nesta Capital.

BRASIL. Decreto nº 22.621, de 5 de abril de 1933. Dispõe sobre a convocação da Assembleia Nacional Constituinte; aprova seu Regimento Interno; prefixa o número de deputados à mesma e dá outras providências.

BRASIL. Decreto nº 24.643, de 10 de julho de 1934. Decreta o Código de Águas.

BRASIL. Decreto-Lei nº 852, de 11 de novembro de 1938. Mantém, com modificações, o decreto n. 24.643, de 10 de julho de 1934 e dá outras providências.

BRASIL. Decreto-Lei nº 1.285, de 18 de maio de 1939. Cria o Conselho Nacional de Águas e Energia, define suas atribuições e dá outras providências.

BRASIL. Decreto-Lei nº 1.699, de 24 de outubro de 1939. Dispõe sobre o Conselho Nacional de Águas e Energia Elétrica e seu funcionamento e dá outras providências.

BRASIL. Exposição de motivos. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 24 nov. 1907. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Exposição de motivos. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 23 maio 1933. p. 10.316.

BRASIL. Lei Constitucional nº 6, de 13 de maio de 1942. Emenda o § 1º do art. 143 da Constituição.

BRASIL. Lei nº 16 de 12 de agosto de 1834. Faz algumas alterações e adições à Constituição Política do Império, nos termos da Lei de 12 de outubro de 1832.

BRASIL. Lei nº 105, de 12 de maio de 1840. Interpreta alguns artigos da Reforma Constitucional.

BRASIL. Lei nº 1.617, de 30 de dezembro de 1906. Fixa a despesa geral da República dos Estados Unidos do Brasil para o exercício de 1907, e dá outras providências.

BRASIL. Lei nº 3.071, de 1º de janeiro de 1916. Código Civil dos Estados Unidos do Brasil.

BRASIL. Lei nº 3.782, de 22 de julho de 1960. Cria os Ministérios da Indústria e do Comércio e das Minas e Energia, e dá outras providências.

BRASIL. Lei nº 3.890-A, de 25 de abril de 1961. Autoriza a União a constituir a empresa Centrais Elétricas Brasileiras S. A. — ELETROBRAS, e dá outras providências.

BRASIL. Lei nº 14.026, de 15 de julho de 2020. Atualiza o marco legal do saneamento básico […].

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Agravo de Instrumento 7880. Relator(a): min. José Linhares. Julgamento: 1º/6/1938.

CARLES, Marjolaine. Águas de domínio público (Brasil colonial): o caso de Vila Rica, Minas Gerais, 1722-1806. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 32, n. 58, p. 79-100, jan./abr. 2016.

CERVO, Fernando Antonio Sacchetim. Codificação, descodificação e recodificação — do monossistema ao polissistema jurídico. Revista Magister de Direito Civil e Processual Civil, n. 58, p. 80-86, jan./fev. 2014.

CHELMICKI, José Carlos Conrado de. Memória sobre o Aqueduto Geral de Lisboa: feita por ordem do Ministério das Obras Públicas em portaria de 15 de fevereiro de 1856. Lisboa: Imprensa Nacional, 1857.

CORRÊA, Maria Letícia. Contribuição para uma história da regulamentação do setor de energia elétrica no Brasil: o Código de Águas de 1934 e o Conselho Nacional de Águas e Energia Elétrica. Política & Sociedade, Florianópolis, v. 1, n. 6, p. 255-291, 2005.

DE CARLI, Ana Alice. As dimensões dos direitos das águas. RDA — Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. 276, p. 77-107, set./dez. 2017.

DEL PICCHIA, Lucia Barbosa. Estado, democracia e direitos na crise do constitucionalismo liberal: uma comparação entre o pensamento jurídico francês e o brasileiro. Tese (doutorado em direito econômico e financeiro) — Faculdade de Direito, Universidade São Paulo, São Paulo, 2012.

ESPÓSITO NETO, Tomaz. Uma análise histórico-jurídica do Código de Águas (1934) e o início da presença do Estado no setor elétrico brasileiro no primeiro Governo Vargas. Revista Eletrônica História em Reflexão, Dourados, v. 9, n. 17, jan./jun. 2015.

FHC diz que lei é ‘fim da era Vargas’. Folha de S.Paulo, terça-feira, 14 fev. 1995.

FIORAVANTI, Maurizio. Stato e costituzione. In: FIORAVANTI, Maurizio (A cura di). Lo stato moderno in Europa: istituzioni e diritto. 10. ed. Roma; Bari: Laterza, 2010. p. 3-36.

FLORES, Alfredo de Jesus Dal Molin; PETERSEN, Raphael de Barros. Os sistemas administrativos, do império à primeira república: os modelos de controle de atos administrativos no Brasil independente. Revista Brasileira de História do Direito, Porto Alegre, v. 4, n. 2, p. 75-92, 2018.

GROSSI, Paolo. Códigos: algumas conclusões entre um milênio e outro. In: GROSSI, Paolo. Mitologias jurídicas da modernidade. Tradução de Arno Dal Ri Júnior. 2. ed. Florianópolis: Boiteux, 2007.

HANSEN, Thiago Freitas. Codificar e conservar: ciência e pensamento jurídico na formação do Código Florestal Brasileiro de 1934. Tese (doutorado em direito) — Setor de Ciências Jurídicas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

HANSEN, Thiago Freitas. Imaginários da modernização do direito na Era Vargas: integração, marcha para o oeste e política indigenista (1930-1945). Dissertação (mestrado) — Setor de Ciências Jurídicas, Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

HESPANHA, António Manuel. As vésperas do Leviathan: instituições e poder político — Portugal, séc. XVII. Coimbra: Almedina, 1994.

HOMBEECK JÚNIOR, Charles van. Preservação e uso dos recursos de água e solo: aspectos legais que regem a política brasileira para o setor. Brasília, DF: Minter, 1977.

LYNCH, Christian Edward Cyril. O Poder Moderador na Constituição de 1824 e no anteprojeto Borges de Medeiros de 1933: um estudo de direito comparado. Revista de Informação Legislativa, Brasília, a. 47, n. 188, out./dez. 2010.

MACEDO, Danilo Matoso. Urbanização em territórios luso-brasileiros: a urbanização das “Ordenações do Reino”. Paranoá, Brasília, n. 13, p. 17-26, 2014.

MEDEIROS, Borges de. O Poder Moderador na República presidencial. Recife: Edição da S.A. Diário de Pernambuco, 1933.

NUNES, Antônio de Pádua. Código de águas: Decreto n. 24.643, de 10-7-1934: anotações em face da doutrina, da jurisprudência e das leis posteriores. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1962.

NUNES, Diego. Processo legislativo para além do Parlamento em Estados autoritários: uma análise comparada entre os Códigos Penais Italiano de 1930 e Brasileiro de 1940. Sequência, Florianópolis, n. 74, p. 153-180, dez. 2016.

ORDÓÑEZ GARCÍA, Juan José. Do reconhecimento à efetividade do direito fundamental à água: diálogos entre Nicarágua e Brasil. Dissertação (mestrado em Direito) — Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016.

PAIXÃO, Cristiano. Direito, política, autoritarismo e democracia no Brasil: da Revolução de 30 à promulgação da Constituição da República de 1988. Araucaria, a. 13, n. 26, p. 146-169, 2011.

PESSOA, Epitácio. Terrenos de Marinha: ação de reivindicação movida pelos Estados da Bahia e do Espírito Santo contra a União Federal: razões finais oferecidas em defesa dos direitos da União. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1904.

PETIT, Carlos. El Código de tránsito no es un código: a propósito de la sentencia C-362/1996, 3 de septiembre, de la Corte Constitucional de Colombia. InDret Revista para el Análisis del Derecho, Barcelona, n. 2, abr. 2014.

PORTUGAL. Ordenações filipinas.

SALGADO, Gisele M. Discussões legislativas do Código Civil de 1916: uma revisão historiográfica. Âmbito Jurídico, v. 96, p. 1-19, 2012.

SANTANA, Ana Carolina da Silva. Códigos de posturas municipais: reflexo de um discurso e de suas problemáticas. In: XXVII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, XXVII, 2013, Natal. Anais… Natal: Anpuh, 2013.

SEELAENDER, Airton Cerqueira Leite. A “polícia” e as funções do estado — notas sobre a “polícia” do antigo regime. Revista da Faculdade de Direito — UFPR, Curitiba, n. 49, p. 73-87, 2009.

SILVEIRA, Mariana de Moraes. Direito, ciência do social: o lugar dos juristas nos debates do Brasil dos anos 1930 e 1940. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 29, n. 58, p. 441-460, maio/ago. 2016.

SILVEIRA, Mariana de Moraes. Revistas em tempos de reformas: pensamento Jurídico, legislação e política nas páginas dos periódicos de direito (1936-1943). Dissertação (mestrado em história) — Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

SILVEIRA, Mariana de Moraes. Técnicos da legalidade: juristas e escrita das leis (Argentina e Brasil, primeira metade do século XX). Estudios Sociales Contemporáneos, v. 17, p. 86-102, 2017.

SILVESTRE, Maria Elisabeth Duarte. Código de 1934: água para o Brasil industrial. Revista Geo-Paisagem, a. 7, n. 13, jan./jun. 2008.

SOUZA, Nírvia Ravena de. Trajetórias virtuosas na regulação da água no Brasil: os pressupostos inovadores do código das águas. Papers do Naea, Belém, n. 220, dez. 2008.

VALADÃO, Alfredo. Bases para o código das águas da República. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1907.

VALADÃO, Alfredo. Direito das águas. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1931.

VALADÃO, Alfredo. Dos rios públicos e particulares. Belo Horizonte: s.n., 1904.

VARGAS, Getúlio. A nova política do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, s.d. v. I.

VENÂNCIO FILHO, Alberto. Código de Águas [verbete]. In: ABREU, Alzira Alves de et al. Dicionário histórico-biográfico brasileiro pós 1930. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

VICENTE, Marcos Felipe. O Código de Posturas como instrumento de controle social: reflexões sobre o Código da Vila de Guarany (1898). In: SEMANA DE HISTÓRIA DA FECLESC, XII, 2016 Quixadá/CE. Anais... Quixadá, CE: UECE, 2016.

Publicado

2022-04-28

Como Citar

Nunes, D. (2022). Aportes para uma história da regulação jurídica da água no Brasil a partir do Código de Águas de 1934. Revista De Direito Administrativo, 281(1), 233–270. https://doi.org/10.12660/rda.v281.2022.85660

Edição

Seção

Artigos